News

“Se Drogba e Eto’o conseguiram, por que nós não conseguiríamos?”

09/08/2018 - 13:18

Sobre a importância da solidariedade, a Chapecoense entende muito bem. Desde o começo da sua história, o clube se fortaleceu por contar, sempre, com a ajuda de toda a população. No momento mais difícil da sua trajetória, foi, novamente, a solidariedade que entrou em campo. Desta vez, acompanhada pela empatia e pela irmandade, afirmada por todos que deixaram as rivalidades de lado e estenderam a mão. Mas muito mais do que receber apoio, a Chapecoense sabe da importância de oferecê-lo. E é aí que inicia uma história inspiradora, de fraternidade que se converte em amor e ganha o poder de romper fronteiras.

Ela começou em Chapecó e teve como destino a Comunidade de Nhandimo, na Província de Gaza, no Moçambique. Próxima ao Oceano Índico, Nhandimo possui inúmeros elementos e fatores que favorecem e atraem as atividades turísticas. Em contrapartida, não possui serviços básicos como mercados, hospitais e postos policiais, por exemplo. Deste modo, os pouco mais de 800 habitantes que constituem a população local precisam percorrer, a pé, longas distâncias, já que também não há meios de transporte.

Como a Chapecoense entra nessa história? Da seguinte forma: O arquiteto natural de Chapecó, Pablo Renk, e a sua esposa Leila - extremamente envolvida em diversos projetos humanitários coordenados pela Organização das Nações Unidas ao redor do mundo, formaram, em 2012, o “NAARA Eco-Lodge e SPA”. Através do empreendimento, eles criaram uma oportunidade de emprego para, pelo menos, 24 pessoas da comunidade e, bem como capacitaram as pessoas de Nhandimo  à desenvolver atividades relacionadas ao turismo.

Muito além do próprio projeto, no entanto, eles - como forma de retribuir o carinho e o respeito da comunidade que os acolheu de forma tão calorosa - passaram a se engajar em questões humanitárias. Foi quando o pronome “Nós” entrou em ação. Passaram a contribuir com a luz, com a água, com a construção da escola e, inclusive, com medicamentos e translado para pessoas enfermas. Para a escola, em especial, Pablo, através do NAARA, e a Fundação Baobab - formada pelas embaixatrizes de vários países - viabilizaram a doação de 35 carteiras duplas, suficientes para mobiliar duas salas.

Às crianças da escola - que são 257 com idades entre 6 e 18 anos   - Pablo, sua esposa Leila e o amigo do casal, Marco Aurélio Soprana - através de quem a Chapecoense enviou camisetas do clube para as crianças - resolveram contar a história da “Nossa Chape”. Reuniram todos e, como numa sessão de cinema, relataram, numa narrativa emocionante, toda a superação e as glórias do time alviverde. A identificação foi instantânea. “A história da ACF tem tudo a ver com a essência do povo africano. O que os norteia também é a superação! O seus principais valores também são o amor, o respeito, a família, a união, a força e a resiliência”, destacou Marco.

Parece exagero, mas ao ouvir os relatos sobre a comunidade de Nhandimo, tudo o que se sabe sobre o futebol além das quatro linhas parece fazer sentido. Para as regiões mais pobres, o esporte é sinônimo de esperança. Além disso, por lá o futebol é o único esporte praticado e que envolve todas as crianças, meninos, meninas, e a comunidade. E entre eles, o sonho é comum: ser jogador. Os motivos para acreditar são pertinentes. Se craques como Drogba e Samuel Eto’o conseguiram, por que eles não conseguiriam? Conhecer a história da Chape os motivou ainda mais. Vestir as camisas verdes e brancas tornou mais confiante e encheu de perspectiva o brilho nos olhos.

Mas Nhandimo - apesar dos sonhos e da esperança - ainda precisa de muito. A comunidade, apesar da carência, preza pela manutenção da educação e entende a importância do ensino para que o futuro das crianças seja menos incerto. De todas as necessidades, a mais urgente diz respeito a complementação das estruturas de escola. Conseguir mais 50 carteiras duplas, cinco quadros negros e doar materiais atenderia as necessidades básicas da instituição. E é possível ajudá-los! “A intenção é propagar o bem que a Chapecoense recebeu para outros povos, pois essa é a maior forma de retribuição para alguém que recebeu ajuda: ajudar o próximo, continuar a corrente de solidariedade”, finalizou Marco.
 

Dados Bancários da Escola Primaria de Inhandimo:

Numero da conta 359970105
Nib 000100000035997010557
Iban mz59000100000035997010557
Swift bimomzmx

Por Alessandra Seidel 

Receive news and exclusive content
Your email has been successfully registered!
Sponsors
Aurora
Havan
Unimed
Umbro
Sicoob MaxiCrédito
Supporters
Brahma
Volkswagen