News

Com “novo futebol”, Alan Santos fala sobre a expectativa para o retorno das competições

28/05/2020 - 19:02

Foto: Comunicação/ACFDesde que a Chapecoense retornou aos trabalhos, as atividades do CT da Água Amarela têm acontecido em período integral. Essa foi a forma encontrada pelo clube para cumprir com o cronograma de treinos, que dividiu os atletas em grupos - separados por posições - a fim de cumprir com todas as medidas de saúde e segurança. 

Para o volante Alan Santos, essas medidas - bem como o acompanhamento feito pelos profissionais do Departamento Médico do clube - é um diferencial para que os atletas tenham tranquilidade para realizar os trabalhos. “Nós temos um Departamento Médico muito qualificado e experiente, que está tratando tudo com prudência para que possa voltar de maneira segura, cumprindo todos os protocolos determinados pelo Ministério da Saúde, pela Federação e pelo Governo. Tem sido muito importante. Fizemos todos exames, todos os testes, e graças a Deus estamos voltando à nossa rotina de trabalho. Aos poucos, cumprindo todo o protocolo, mas pra que quando tudo voltar ao normal a gente possa estar ativo naquilo que a gente gosta de fazer, que é jogar futebol”. 

Para o atleta, a volta dos treinos e a expectativa para o retorno das partidas é ainda maior. Isso porque, após ser apresentado como reforço do Verdão no início da temporada, ele se lesionou na partida contra o Marcílio Dias, em fevereiro, e vive a ansiedade pelo reencontro com a bola. “Essa retomada das atividades, pra mim, é de muita alegria. Como a gente tem comentado do novo futebol, estamos tendo que nos adaptar aos protocolos de segurança, trabalhar em grupos pequenos, com coisas individuais, saindo de casa pronto e voltando do jeito que a gente sai. Tem sido um período de adaptação, mas é muito melhor do que ficar trabalhando em casa, em videochamada. Era um trabalho muito bom, mas totalmente contrário da nossa rotina. A gente gosta de trabalhar com bola”. 

Além da expectativa pelo retorno, Alan Santos não esconde a gratidão pela oportunidade recebida na Chapecoense e o dever de retribuir ao clube. “A minha responsabilidade é igual a de todos os atletas, a gente tem que cumprir com o nosso dever de funcionário, trabalhar o mais forte o possível, se doar pela Chapecoense, para que a gente possa honrar o clube que bota o pão na nossa casa, o clube que nos da estrutura para poder trabalhar, nos colocando num cenário brasileiro, vestindo uma camisa que mundialmente tem sido forte”. 

Por fim, o volante destacou a qualidade do trabalho que tem sido realizado na Chapecoense e afirmou que a força do grupo será o diferencial para o time conquistar os seus objetivos. “Com certeza, o grupo vai fazer o melhor trabalho para que venha a se cumprir o grande projeto do ano da Chapecoense, que é subir pra Série A. Esse é o nosso grande desejo e objetivo. É lógico que se voltar o estadual, a gente sempre entra no campeonato com a intenção de ganhar. Então, eu acho que a responsabilidade é de todo o grupo. Nenhum jogador se sobressai individualmente quando o grupo não está bem. É assim que eu penso o futebol, coletivamente. Se o meu futebol sobressair, é porque os companheiros estão ajudando. (...) Eu confio no trabalho da Comissão Técnica, dos meus companheiros, e com certeza isso vai sobressair, porque tem sido um trabalho de muita qualidade”.

Por Alessandra Seidel 
Receive news and exclusive content
Your email has been successfully registered!
Sponsors
Aurora
Unimed
Umbro
Sicoob MaxiCrédito
Supporters
Brahma
Volkswagen